Alojamento: Hotel versus Hostel

O mundo do alojamento é amplo e vasto, mas será que existe alguma diferença entre os hotéis e os hotels? Quais são os seus pontos fortes? O que é realmente um hostel? Serão os hostels uma ameaça face ao mundo da hotelaria tradicional? Estas são algumas questões pertinentes e que deverão ser esclarecidas.

Alojamento: Hotel

De acordo com a alínea a) do N.º2, e o N.º1 do Artigo 11.º, do Decreto-Lei 228/2009 de 14 de setembro, um hotel designa-se por um estabelecimento hoteleiro e integra-se no grupo dos empreendimentos turísticos. “São estabelecimentos hoteleiros os empreendimentos turísticos destinados a proporcionar alojamento temporário e outros serviços acessórios ou de apoio, com ou sem fornecimento de refeições, e vocacionados a uma locação diária.” A esta informação acrescento o detalhe do Artigo 12.º do mesmo decreto que menciona: “…estabelecimentos hoteleiros devem dispor, no mínimo, dez unidades de alojamento”. Estes são classificados nas categorias de uma a cinco estrelas, através de um conjunto de soma de pontos, que corresponde à qualidade do serviço e das instalações do alojamento (“características das instalações e equipamentos, serviço de receção e portaria, serviço de limpeza e lavandaria, serviço de alimentação e bebidas, serviços complementares”).

Um hotel contém uma estrutura mais complexa face a um hostel, existe uma regulamentação rígida a cumprir de forma a prestar o máximo conforto e segurança aos seus hóspedes, clientes e colaboradores. O número de pessoas e o número de departamentos (ex. departamento de andares, departamento comercial, etc.) varia consoante a categoria do alojamento e também do seu tamanho. Nos hotéis de uma, duas e três estrelas a carga de empregados é inferior, ao contrário dos de quatro e cinco que podem possuir equipas mais aglomeradas.

O alojamento num hotel é feita por quarto, onde existe casa de banho privativa: quarto single (uma pessoa), duplo ou twin (duas pessoas), triplo (três pessoas), familiar (quatro pessoas), etc.

Uma grande parte deste tipo de empreendimentos dispõem de vários serviços que complementam a estadia do hóspede: room service, cafetaria, bar, ginásio, piscina, garagem, spa, entre outros exemplos.

O preço por quarto é diário e está relacionado com a unidade (marca, cadeia hoteleira, posicionamento, etc.), com a classificação, com a localização e o com valor que proporcionam ao cliente. Isto significa que, quanto melhor for o hotel e mais condições/serviços dispor, maior será o preço a pagar.

O ambiente num hotel é calmo e sereno, onde os clientes por norma não socializam entre si.

Por outro lado um Hostel comporta-se de maneira diferente. Até há pouco tempo nem havia um regulamento, mas atualmente enquadra-se na categoria dos “estabelecimentos de alojamento local”, que pelo N.º1, do Artigo 2.º, do Decreto-Lei N.º 128/2014, de 29 de agosto, define como “…aqueles que prestem serviços de alojamento temporário a turistas, mediante remuneração, e que reúnam os requisitos previstos no presente decreto-lei”. Mais à frente no N.º1 do Artigo 14.º do mesmo decreto conhecemos a denominação de “hostel”: “…unidade de alojamento, única ou maioritária, seja o dormitório”, “os dormitórios são constituídos por um número mínimo de quatro camas”, “o número de camas dos dormitórios pode ser inferior a quatro se as mesmas forem em beliche”.

A criação de um hostel normalmente é feita em edifícios reaproveitados com conceitos únicos e fora do vulgar, que normalmente localizam-se nos centros das cidades. A sua estrutura não é tão complexa face à de um hotel. O staff é mais pequeno, por norma mais jovem e com grandes skills de polivalência e de socialização (um rececionista pode muito bem ter de efetuar limpezas ou entreter os hóspedes).

Alojamento: Hostel

O conceito de hostel é oferecer zonas e espaços partilhados. Isto quer dizer que, o dormitório é partilhado com mais pessoas (de duas camas até 50 camas por exemplo, género masculino, feminino ou misto); as casas de banho também são partilhadas mas divididas por sexos, as zonas comuns igualmente (os hóspedes cozinham juntos e até podem comer as suas refeições juntos ou descontraírem no mesmo sítio). A dormida é feita por cama a um custo bastante inferior em relação a um quarto de hotel, a oferta de serviços não é tão extensa e pode ou não haver pequeno-almoço. Uma das grandes diferenças neste tipo de estabelecimento é o facto de os hóspedes conviverem e socializarem entre si, visto serem um público mais jovem e partilharem os espaço. Aqui a troca de experiências é vantajosa e um cliente “nunca se sente sozinho”.

Vantagens da estadia ser num hotel: privacidade, descrição, melhores condições, um serviço mais especializado, ampla oferta de serviços.

Vantagens da estadia ser num hostel: preço por noite mais barato, socialização entre hóspedes, tratamento informal, ambiente jovem e dinâmico, conceitos inovadores.

Cada vez mais, os hotéis vêm o mundo da hostelaria como uma ameaça, por não estarem regulamentados com decretos e leis tão apertados, que obrigam a um grande investimento de capital e também, por praticarem preços mais apelativos em troca das condições necessárias de estadia. Embora cada vez mais, a qualidade dos hostels tenha vindo a crescer, têm surgido várias categorias desde luxury hostels, design hostels, party hostels, entre outros.

Já agora, sabiam que o melhor hostel do mundo é português? O Home Lisbon Hostel, na Baixa, em Lisboa, é pelo terceiro ano consecutivo o melhor hostel do mundo, atribuído pela Hostelworld.

Independente do tipo de alojamento, quer seja um hotel, um hostel ou tipo categoria de empreendimento turístico, a Availpro oferece uma ampla gama de serviços que permitem uma gestão correta e eficaz, trabalhando em tempo real, aliando as melhores ferramentas e soluções de análise e otimização, que ajudam na tomada de decisão.

Categorias